24 abril 2008

uma revolução por minuto (bom feriado)

chuva


hoje chove muito, muito,
dir-se-ia que estão a lavar o mundo.
o meu vizinho do lado vê a chuva
e pensa em escrever uma carta de amor
uma carta à mulher com quem vive
e lhe faz a comida e lava a roupa e faz amor com ele
e se parece com a sua sombra
o meu vizinho nunca diz palavras de amor à mulher
entra em casa pela janela e não pela porta
por uma porta entra-se em muitos sítios
no trabalho, no quartel, na prisão,
em todos os edifícios do mundo
mas não no mundo
nem numa mulher / nem na alma
quer dizer / nessa caixa ou nave ou chuva que chamamos assim
como hoje / que chove muito
e me custa escrever a palavra amor
porque o amor é uma coisa e a palavra amor é outra coisa
e só a alma sabe onde as duas se encontram
e quando / e como
mas que pode a alma explicar

por isso o meu vizinho tem tempestades na boca
palavras que naufragam
palavras que não sabem que há sol porque nascem e morrem na
mesma noite em que ele amou
e deixam cartas no pensamento que ele nunca escreverá
como o silêncio que existe entre duas rosas
ou como eu / que escrevo palavras para regressar
ao meu vizinho que vê a chuva
e à chuva
ao meu coração desterrado



juan gelman*
'no avesso do mundo'
trad. colectiva da casa de mateus, revista por ana luísa amaral
quetzal
1998

[in: http://canaldepoesia.blogspot.com]


* prémio cervantes 2007

3 Comments:

Blogger AQF said...

Chuva ou poesia, a purificação quer-se assim.

quinta-feira, abril 24, 2008 11:32:00 da tarde  
Blogger Abssinto said...

Gostei muito deste. Obrigado.

sábado, abril 26, 2008 3:17:00 da tarde  
Blogger casa de passe said...

Gostamos de chuva.

Podemos ler porque ela afugenta os clientes


LouLou + NiNi

sábado, abril 26, 2008 7:51:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home