02 março 2007

relembrando sophia (bom fim-de-semana)

I. 'porque'

porque os outros se mascaram mas tu não
porque os outros usam a virtude
para comprar o que não tem perdão.
porque os outros têm medo mas tu não.

porque os outros são os túmulos caiados
onde germina calada a podridão.
porque os outros se calam mas tu não.

porque os outros se compram e se vendem
e os seus gestos dão sempre dividendo.
porque os outros são hábeis mas tu não.

porque os outros vão à sombra dos abrigos
e tu vais de mãos dadas com os perigos.
porque os outros calculam mas tu não.

II. 'biografia'

tive amigos que morriam, amigos que partiam
outros quebravam o seu rosto contra o tempo.
odiei o que era fácil
procurei-te na luz, no mar, no vento.

sophia de mello breyner andresen

4 Comments:

Blogger Abssinto said...

Sempre cristalina.........

domingo, março 04, 2007 9:31:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

cristalina é uma boa palavra. uma palavra exacta, como exacta é a poesia da Sophia.
exacta, no sentido de 'justa' (a palavra 'clara' e 'certa' - nenhuma outra serviria tão bem o seu propósito).
há uma certa densidade que aproxima a poesia de sophia de uma escultura clássica.
um abraço.
gi.

segunda-feira, março 05, 2007 9:27:00 da manhã  
Blogger Ri.Ma. said...

... esta poesia não se fez (faz!) a reboque das mais rebuscadas metáforas - as que luzem dos dedos de sophia são de uma singeleza bela e desarmante: como a sua figura.

abraço

segunda-feira, março 05, 2007 2:36:00 da tarde  
Blogger Gi said...

olá, ri.ma.
é sempre bom ver-te por estes jardins.
não posso concordar mais - há uma limpidez, uma simplicidade, uma espécie de despojamento.. que espanta e comove.
obrigado por o relembrares.
um abraço.

segunda-feira, março 05, 2007 6:12:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home