23 novembro 2006

fractais VII

uma verdade universal:

'os nossos amigos conhecem-nos na prosperidade. nós conhecemos os nossos amigos na adversidade.'

john churton collins
inglaterra, [1848-1908], educador/ensaísta

5 Comments:

Blogger cristal said...

como diria um meu amigo "aí está uma verdade que nem punhos"!

quinta-feira, novembro 23, 2006 10:48:00 da manhã  
Blogger Nuno Guronsan said...

Não me poderia identificar mais com isto... Abraço.

quinta-feira, novembro 23, 2006 11:29:00 da manhã  
Blogger Gi said...

é uma daquelas constatações que tocam a todos, tarde ou cedo.
é pena 'ser assim'; mas também é pena 'o mundo ser como é'.
puxei este fractal para a primeira página do dia, por ser uma articulação feliz..de um sentimento pouco feliz. verdadeiro, em todo o caso.

quinta-feira, novembro 23, 2006 11:41:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

claro está que não te referes apenas à prosperidade/adversidade material! (afirmo e informo)
acredito que a mente humana nos leva, normalmente para o materialismo.
meus amigos, não esqueçamos o sentimento, a prosperidade que representa termos uma alma gémea ao nosso lado, e o quantas vezes o louvamos a ponto de o encharcar da nódoa do desprezo pelos nossos amigos mais verdadeiros.
GIga ab
um dos akas

domingo, novembro 26, 2006 8:24:00 da tarde  
Blogger Gi said...

olá, 'um dos akas'.
li e reli o teu 'post', bastante complexo..
confesso que não sei se percebi exactamente o sentido último das tuas palavras.
quando coloquei 'em primeira página' a citação, apenas quis dar relevo a uma formulação feliz de algo que intuitivamente sabemos ser verdade: é muito mais fácil ser(mos) amigo(s) em tempos de bonança do que em tempos de tormenta. é próprio da natureza humana, mas não é por ser próprio da natureza humana que não o devemos assinalar e, se possível, tentar fazer diferente. porque o mais interessante da frase é que ela é transitiva - cada um de nós está, ao mesmo tempo, dos dois lados. ela pode, portanto, ser lida como um lamento face a nós (os nossos amigos face a mim) ou como uma auto-crítica face aos outros (eu face aos meus amigos).
parece-me ainda que há outras ideias fortes na tua mensagem.. ficam para outra vez - que as conversas não se esgotam!
um abraço forte.

terça-feira, novembro 28, 2006 10:21:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home